Translate

segunda-feira, 3 de maio de 2010

Um dia em Recife e OLINDA

(Com um pouco de imaginação dá para ter a visão do paraíso, antes mesmo de Cabral chegar. Entendo perfeitamente o que nossos "primos" sentiram ao desembarcarem na costa brasileira, e logo quiseram trazer a trupe inteira de lá. Com este céu, com este mar, com esta gente feliz de cá....não há dúvida: é aqui que eu quero morar!)
( O Museu do Mamulengo fica na descida da ladeira do Varadouro, a caminho do convento de São Francisco. É um lugar lúdico que instiga o visitante a entrar num mundo livre e provocador, já que os bonecos falam com o público, mesmo quando não são manipulados. São mais de 1.200 bonecos no acervo! Foi o primeiro museu de fantoches do Brasil. O mamulengueiro é um artista que usa sua imaginação para contar as estórias de sua gente. Bem interessante. Funciona de terça a domingo das 10:00 às 17:00 horas.)
(O Convento de São Francisco foi construído no século XVI. O conjunto ainda compreende a igreja de Nossa Senhora das Neves e as capelas de Sant' Ana e de São Roque. Chamam a atenção as pinturas da Sagrada Família e a decoração feita de azulejos portugueses amarelos, azuis e vermelhos. O "quintal" do convento é o imenso mar azul de Olinda! Vale uma visita e belas fotos.)
(Esta é a visão que se tem lá do alto da Igreja da Sé. De um lado os coqueiros e cúpulas de igrejas antigas. Do outro o mar sem fim. Ficaria ali a tarde toda observando as infinitas nuances do azul do mar de Olinda... Ah, se eu fosse uma artista, faria mil aquarelas desta paisagem... Se eu pudesse ser a própria paisagem... E se...)
(Não tem como negar, a arquitetura típica e os azulejos de além mar entregam a herança portuguesa. Há várias construções desse tipo espalhadas por Olinda. É...esta é uma casa portuguesa com certeza!)
(Quase não consigo tirar esta foto da Casa dos Bonecos Gigantes. O galpão estava fechado e só tinha uma fenda na janela, onde consegui encaixar a pequena câmera e tremer um pouco. Tudo bem. O primeiro boneco da direita é o "Homem da Meia Noite". As peças têm cerca de três metros de altura e retratam pessoas com feições exageradas, animais e diabos. Bom descanso meus amigos.)
(Este boneco gigante nada mais é do que a famosa "Mulher do Meio Dia", que sai pelas ruas de Olinda no carnaval acompanhada de seu fiel companheiro, o "Homem da Meia Noite". E é claro que vai todo mundo atrás dançando frevo até o sol raiar. Cansaço? Não, esta palavra não existe no dicionário pernambucano!)
(Lá do alto do Largo do Varadouro tem-se esta visão de Recife ao longe com seus prédios imensos. Do lado de cá, a simpática e charmosa Olinda. Pelo menos as duas cidades dividem o mesmo mar azul estonteante. Minha memória fotográfica é ótima, mas uma câmera na mão faz milagres e vai me ajudar a relembrar essas imagens daqui a uns cem anos....!?)
(O pôr-do-sol na praia de Boa Viagem fecha o dia com chave de ouro. Não, você não está entendendo, meu caro. Só estando lá para sentir essa energia toda, aquela água bem morna e a vontade de ficar ali para sempre....quem sabe...até virar um peixe!)




De Recife pega-se um ônibus e 7 km depois você está em Olinda. Como pode, duas cidades gêmeas e tão diferentes! Em Olinda praticamente não se vê prédios, só construções bem antigas, muitas igrejas e ladeiras. Quanta ladeira! São ruazinhas estreitas de pedra por toda a cidade. Nascida no período colonial, ainda guarda com orgulho a herança deixada pelos portugueses, que disputaram a ferro e fogo esses pedaços de terra ao mar com os holandeses (esses ficaram com Recife). Me desculpem, mas Olinda é realmente linda! Não é à toa que foi tombada como Patrimônio Cultural da Humanidade pela UNESCO. A melhor época para conhecer todo o bucolismo da cidade é agora, bem longe do carnaval (este merece uma visita à parte). Então, por onde começar? Pernas para que te quero no sobe e desce das ladeiras. É o único jeito de observar o casario colorido e suas histórias. Começando pela Praça do Carmo, pegamos a primeira ladeira rumo à rua do Amparo, cheia de museus, ateliês de arte, restaurantes e... a casa dos famosos bonecos gigantes. Ali eles ficam guardados até o próximo carnaval. Agora vamos até o Largo do Varadouro lá em cima. Prepare-se: é uma 'subidinha' e tanto que pernas e glúteos ainda vão te agradecer! Lá no alto há uma feira de artesanato na rua, rodeada de alguns bons restaurantes, lojinhas incríveis e a Igreja da Sé. É ali do pátio da igreja que se tem a melhor vista da cidade. Se for domingo, não perca o desfile de Maracatu no final da tarde, quando todos aqueles bonecos gigantes saem às ruas. Bateu aquela fome? Na rua do Amparo tem um restaurante incrível: "Oficina do Sabor". Da varanda se vê Recife lá longe e as praias de Olinda. Cá entre nós... o camarão ao creme de manga com arroz de polvo é simplesmente divino!!! Hora de conhecer o Museu do Mamulengo e depois descer a ladeira do Varadouro até o Convento de São Francisco. Lindo! A essas horas o sol já está querendo partir. Então corra até o alto da Sé para ver o pôr-do-sol. É o lugar perfeito. Acabou? Claro que não! De volta à Recife, ainda dá tempo de pegar um final de tarde na praia da Boa Viagem e depois curtir a noite ali mesmo na orla. Muita água de coco, quiosques restaurantes e uma turma sempre sorridente caminhando no calçadão. Pronto, lá se foram as 24 horas intensamente vividas. Ufa, que dia......inesquecível!!!

2 comentários:

  1. Oi!
    Também já estive lá e concordo plenamente: Olinda é realmente LINDA!

    ResponderExcluir
  2. Ai vc descrevendo assim bateu uma saudadeeeeeee, amo amo amo essas cidades, morei nas duas! Lendo calmamente senti cada frescor que só tem em Boa Viagem, cada brisa que só tem em Olinda!!!!!!

    ResponderExcluir