Translate

domingo, 28 de agosto de 2016

Algum lugar que só nós conhecemos




Sapo anda de bicicleta de acordo com o vento na praia de Copacabana


Casa Rosada em Buenos Aires

Olhando fotos de viagem numa manhã de domingo é possível reviver pequenas histórias numa fração de minutos. Como não dá para viver a vida viajando, é bom valorizar esses poucos momentos. Refletir sobre a grandiosidade de um monumento da natureza no meio de uma estrada deserta faz a gente se sentir bem pequenininha. Andar pelas ruas de uma cidade cosmopolita onde todos falam um outro idioma, me faz sentir tão anônima quanto uma formiga, e o  mundo ganha uma outra dimensão. Por outro lado, subir num balão e ver tudo microscópico lá embaixo, me deixa gigante. Mas para sentir tudo isso, tem que sair do lugar. Muitos podem até dizer que um barco está seguro quando está ancorado no porto. Mas não foi para isso que os barcos foram feitos; é preciso navegar por rios e
mares, explorar cada lugar. E os lugares são como pessoas, mudam com o vento, mudam com a chuva, mudam até de humor. Então temos que ir aos mesmos lugares mais de uma vez para viver esta experiência. Levar o corpo e a alma para passear é essencial, um sem o outro não pode dar certo. Sem medo de errar. O medo muitas vezes nasce de uma história que nós inventamos e fingimos acreditar. Deixar ele de lado é tudo de bom. Só me agarro a ele em caso de necessidade plena! 

Confesso que já dei muito nó nessa vida, não o nó de marinheiro, que esses são difíceis de desatar. Até que um belo dia descobri o óbvio, que são as coisas mínimas que fazem a vida ser legal. E assim vão-se os dias, um de cada vez. Hoje sou uma pessoa quase sensata e um pouco mais resolvida. Percebi que tem que abrir a janela e deixar a felicidade entrar, assim mesmo de supetão, ela vai sentar do teu lado e trocar umas ideias bem interessantes. A tristeza? Essa não dá as caras por aqui faz tempo. Se vier, tudo bem também. Mas antes vai ter que mostrar credencial, passaporte, senha de acesso e tudo mais. Afinal, não vim a esse mundo pra chorar!

Cúpula da Candelária no Rio

Passeio de balão pelo Parque das Águas de São Lourenço

A Cordilheira dos Andes  vista de cima

A minha cidade, problemática, porém Maravilhosa!!!


Obs: Plágio não é legal!

12 comentários:

  1. Great post with so many interesting thoughts; Yes---we do feel small and insignificant at times --and yet, at other times, we feel like giants... When I look at a little ant scurrying across the walk, I know that I am a 'giant'..... But--when I look at a huge mountain in front of me, I know that I'm tiny.... I think it is all about attitude and making the best of what we have.. IF we take these lives we have and choose to enjoy them and choose to look for something new and different each day --life will always be good no matter how big or small we feel.

    Hugs,
    Betsy

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Yes Betsy, we are often tiny and giants on the superb nature!
      It's not so hard to imagine you surrounded by the beautiful nature of Tenessee and your immense garden! As you said, we try to do our best within our means, which is already very good!!!
      Many hugs

      Excluir
  2. Oi Bia
    Você é muito boa com as palavras, escreve e descreve magnificamente, sou sua fã.
    Adorei a da tristeza, muito criativa.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É sempre muito bom receber sua visita generosa, Maria Célia!
      Acredito mesmo que a tristeza por aqui não tem vez, embora às vezes ela seja inevitável, argh!
      Bjs

      Excluir
  3. Ao passar pela net encontrei seu blog, estive a ver e ler alguma postagens
    é um bom blog, daqueles que gostamos de visitar, e ficar mais um pouco.
    Eu também tenho um blog, Peregrino E servo, se desejar fazer uma visita
    Ficarei radiante,mas se desejar seguir, saiba que sempre retribuo seguido
    também o seu blog. Deixo os meus cumprimentos e saudações.
    Sou António Batalha.
    Peregrino E Servo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Antônio,
      Agradeço a visita, pois saiba que aqui será sempre bem vindo!
      Certamente irei lá agora retribuir a gentileza. Tenha um bom fim de semana por aí!

      Excluir
  4. Gostei muito das fotos, da mensagem e da composição do texto.
    É preciso viajar, sim, para darmos valor ao nosso lugar e ao mundo...
    É importante vivenciar os lugares e é uma felicidade dispormos da
    ''internet'' para podermos preparar viagens sem grande dificuldade.
    Dias aprazíveis, Bia.
    Abraço.
    ~~~

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Majo, que bom que voltou!
      Acredito que viajar seja uma das coisas boas da vida! Descobrir o mundo, ou apenas um novo lugar nos faz mais felizes e realizados, além de nos tirar do stress e da mesmice do dia a dia! Beijinhos <º(((<

      Excluir
  5. Beatriz, uma boa noite, já estou por aqui, apreciar estas lindas fotos e conhecer sem viajar,Rsrsrsrs.
    Beatriz verifiquei que segue o outro meu blog A Verdade Em Poesia, só que não a encontro lá, se seguiu sem foto, eu não a poderei seguir. Bjinho
    António.

    ResponderExcluir
  6. Oi Bia, é a Vi, parece que a gente leva muito tempo para ficar um pouco mais resolvida e sensata e isso nos permite levar a vida com mais leveza.
    Amei seu texto.
    Beijos,vi

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Vi, que bom recebê-la por aqui!!!
      É mesmo, eu ainda estou tentando me resolver um pouco mais e já estou sentindo a leveza no ar, rs. Volte quando quiser!
      Bjs

      Excluir
  7. Não posso estar mais de acordo. Sei que alguns lugares pelos quais não me apaixonei foram simplesmente visitados na altura errada. Os nossos olhos influenciam sobremaneira as viagens.
    Nunca fiz um passeio de balão mas, definitivamente, está na minha lista.
    Beijinhos
    Ruthia d'O Berço do Mundo

    P.S. Está a planear alguma viagem a Portugal? Se sim, para além da esticadinha até à Galiza, tem que incluir uma paragem no berço de Portugal para tomar um café e comer um doce regional comigo

    ResponderExcluir