Translate

segunda-feira, 5 de novembro de 2018

Buongiorno a tutti!

Vista de um "roof top" na Via del Tritone, no centro de Roma. O jeito dos romanos viverem em seus terraços cheios de sol e de plantas!

Talvez viajar não seja a melhor coisa do mundo, dentre tantas coisas mais importantes nessa vida... Mas para mim, e meu parceiro de vida e viagens, está entre as "top 5"! Não, não falo daquelas pessoas que ficam marcando no mapa TODOS os milhares de lugares por onde andaram. Como um conhecido meu me disse recentemente: 'Conheci 8 países em 10 dias, foi incrível!' Será mesmo? As vezes é preciso sacudir um pouco a vida, trilhar outras estradas, singrar outros mares, conviver com pessoas diferentes. E isso leva tempo, em alguns lugares até mais que outros. Não dá para fazer uma viagem do tipo "trem bala" só para marcar no mapa. O tempo é muito precioso, e por isso não pode ser desperdiçado. Tem que ser prolongado, isso sim. Pesquisar antes de viajar facilita muita coisa, como taxas cobradas em certos lugares, meios de transporte e horários de funcionamento. Mas algumas vezes somos levados ao erro, e a realidade não condiz com as informações pesquisadas. No entanto, a frustração inicial pode se transformar numa experiência fantástica se soubermos aproveitar e dar a volta por cima. Na última viagem, quando chegamos em Roma, o hotel moderninho que tínhamos contratado na internet, na verdade era um hostel bem simples com o mesmo nome (tirando uma só letra), no mesmo bairro, na mesma rua, a menos de 100 metros de distância! A porta de vidro para entrar no prédio (todo pichado) estava sempre emperrada e quase quebramos a chave uma vez, pois só abria na base do empurrão. A janela do nosso quarto dava para os fundos do prédio e o pátio de um mercado, que abria todo dia às 7:00 da manhã, com seu dono falando em alto e bom som para toda a vizinhança: "Buongiorno a tutti. Il mercato è aperto. Cosa vogliono oggi?", e toda aquela sinfonia de vendedores e clientes falando e rindo o tempo todo. Mas nada que um daqueles tampões de ouvido baratos na farmácia ao lado não resolva. Depois ainda ficamos fregueses do supermercado, onde comprávamos sempre biscoitos, bilhetes do metrô, água e suco para abastecer nosso quarto. Quer coisa melhor do que praticar italiano com a própria dona da casa, uma simpática romana com seu filhinho, que nos dava dicas incríveis que não vi em nenhum guia de Roma? E ainda nos levava todo dia na bandeja um farto café da manhã no quarto? Aliás, o melhor cappuccino que já tomei, diga-se de passagem. Só íamos almoçar lá pelas tantas da tarde, depois de andar metade da cidade a pé! Ah, nosso hostel-casa em Roma ficava a 200 metros da estação de trem de Trastevere, e dali há trens para quase todo lugar. Melhor lugar não há!
É por essas e outras que quando eu digo que 11 dias só na cidade eterna foi pouco, ninguém acredita!



8 comentários:

  1. Uma cidade encantadora.
    Um museu a céu aberto.
    Boa semana

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Encantadoramente bela, Pedro, e pura magia!
      Uma ótima semana para você

      Excluir
  2. Respostas
    1. Sono stato lì a maggio, prima di andadre a Ostia e Firenze! Sogno di tornare ogni giorno...

      Excluir
  3. Sono contenta che ti sia piaciuto e ti auguro di tornare presto

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sì Angela, anche a me! È un paese molto bello e voglio tornare più spesso, perché questa volta non ha avuto tempo ...

      Excluir
  4. Eu acredito... mas ao tempo que foram esses 10 dias!
    Estava preocupada com a sua ausência... ao tempo que não repara no A Vivenciar a Vida... tenho Verdi e ópera, filha de Itália.
    Gostei de ler, querida Amiga.
    Beijo
    ~~

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Majo!
      muito bonita tua homenagem à ópera, amei!!!
      Espero ter mais tempo até o fim do ano para visitar mais os amigos nos blogs, hehe...
      Beijinho

      Excluir